principal   |   contexto   |   especiais


Com Passivos

Fernando Duarte inaugura exposição

por Maria Alice Amorim

É pelo apego, pela paixão à pintura que Fernando Duarte retoma a agenda de artista plástico, inaugurada no dia 30 de julho, na Maison do Bomfim, a exposição Com Passivos. Trata-se de uma mostra de quinze quadros, em acrílica sobre tela, medindo 75 x 45, executados a partir de desenhos "pescados" nos diários gráficos do próprio pintor e datados dos longínquos dias 28 e 29 de junho de 2000.

"Voltei a pintar, estou trabalhando todo dia", diz o artista, frisando que o momento presente não seria uma retomada na perspectiva de alguém que temporariamente tivesse deixado de criar. Mesmo no período em que andou fora do circuito de exposições, ocupado no exercício de cargos públicos voltados às políticas culturais, Fernando desenhava diariamente. Prova disto são os mais de quinhentos e cinquenta diários, datados de a partir de 1998, em que desenhos e pinturas se mesclam a poemas e outras modalidades de texto, compondo vigorosos registros de comovente poética verbo-visual, alinhada a questões políticas, estéticas, filosóficas, sociais.

Inquieto, versátil, o artista produz, incessantemente, aquarela, xilogravura, selos, carimbo, cerâmica, escultura. Desenhos abstratos, figurativos, palavras soltas, fluxogramas, mandalas, sumiê, caligrafia compõem o repertório plástico. A química da luz, a cor e as suas relações com a razão e a emoção, a gestalt, o inconsciente, o tempo do indivíduo, as tensões do corpo, o ritmo pessoal são questões que pulsam nas invenções de Fernando. Os labirintos a que a vida nos lança são invocados em traços que mostram e escondem a fisionomia do mundo, do ser e estar no mundo. "A cor e eu somos uma coisa só", ressoa a afirmação de Paul Klee nas leituras de cor que Fernando Duarte executa na obra nitidamente singular, autoral.

Longe de querer propor explicações, roteiros de leitura, Duarte sabe perfeitamente quais as questões que o movem quando pinta, mas sabe igualmente que elas não estão explicitadas, e prefere assim. Qual o fio, qual a linha, ou quais os fios, quais as linhas que conduzem a mão do artista, esta é a questão posta. Respondê-la ou buscá-la, Fernando deixa para quem, sentidos aguçados, deseje apreciar as singularidades da obra.

Um mês após a inauguração da exposição, precisamente no dia 30 de agosto, Fernando Duarte passa a exibir no mesmo espaço quinze gravuras também inspiradas nos desenhos que deram origem às quinze pinturas. A mostra Com Passivos permanece em cartaz até 30 de setembro, na Maison do Bomfim.

 

Serviço:

Com Passivos

Exposição de Fernando Duarte

Visitação - 31 de julho a 30 de setembro de 2014 (horário de funcionamento do restaurante)

 

Maison do Bomfim

Rua do Bonfim, 115 / Olinda/PE

(81) 3439.2721

 

 

  Voltar à página inicial

Com Passivos

Recife, No Hay

Literatura Marginal

Apresentação – Sub 20

Poesia. Prosa. Cinema - Lançamentos Interpoética

IX Bienal Internacional do Livro de Pernambuco

A Barata Voadora

Estou Cida

ENFIM OS CEM ANOS DE CANCÃO

Cida Pedrosa deixa editoria do Interpoética

O olhar azul na poesia de Paula Berinson

Vozes Femininas enleva plateia na Casa Mecane

Vozes Femininas

Outro Natal

Poema de Natal

Cri(Ânsia)

Poema de Natal

KITCHE 44 ou Carmim, a noite dos pés de galinha pintados

A melancolia de a parede e a flor expõe os exílios de Cida Pedrosa

Carpideiras - Jussara Salazar

Há fortes razões de ainda crer

Um escritor que gosta de se desmontar

Desordem

Uma mulher que pode ser você

NÓS, MULHERES

Inéditos de Lara

ABC da poesia

O primeiro romântico

Meu Papai Noel de Casa

O filho

Por volta da meia noite

Especial Tríade

A palavra ofertada na pele

Um Tempo sem Tempo

Espelhos de sangue

Um homem chamado poema

A representação da mulher em Cida Pedrosa

Linguaraz: O que fala esta língua?

Geraldino Brasil

Histórias tecidas na água

Dia Internacional da Mulher

Letras em Poesia

O mistério da fruta-carro

Opiniões sobre a escrita de Luiz Carlos Monteiro

A poesia é de prata

Carta a Pedro Américo de Farias por Hildeberto Barbosa Filho

Aos pariceiros dos anos 80

Sarau Plural

o girassol

A correspondência da Condessa de Barral

Uma incelência entrou no Paraíso

De Heloísa a Cida

Mulheres Cortantes

Entre Angélica e Zenaide

Grotesco e feminino em O Romance da Besta Fubana

Um conto de Haidée Fonseca do livro Ave, Mulher!

Ofício da Imaculada

A título de editorial

Testemunhos de escritores que tiveram suas vidas cruzadas pela de César Leal

Arte Literária

Outras Paradas

Joana

Novenário

9 de Maio: Dia de Ascenso

Escritoras Suicidas

ME: fênix da poesia invencível

Solo e subsolo

Um ano sem Chico Espinhara

Clarice e o Querer

A camponesa que vestia dior

A Felicidade em Clarice Lispector

Lêgo & Davinovich

França

Alberto da Cunha Melo

Erotismo, humor e simplicidade na poesia de Selma Ratis

As neo-iluminuras de Ribeiro Halves

The Globalización di Marie

Erickson Luna

Francisco Espinhara

Petrolina: Minha São Paulo do Sertão

Poética Ribeirinha

Itinerário Poético de Bodocó

Heloísa Arcoverde uma Cidadã de Recife


Flash player required!






Banner

Banner




quem somosfale conoscoportfoliolinksclipagemhotsites

Editores:

 Sennor Ramos, Raimundo de Moraes e Cida Pedrosa