principal  |   poesia   |   figura da vez

Deolindo Tavares

 

 

Passados dez anos da edição do livro de poesias de Deolindo Tavares, o prefácio escrito na época pelo poeta Aberto da Cunha Melo, que não mais se encontra entre nós, continua atual e nos trás um delicado panorama da poesia deolindense. A INTERPOÉTICA ao publicar o texto de Alberto, autorizado pela companheira Cláudia Cordeiro, presta uma homenagem a dois grandes poetas pernambucanos e contribui para a ressurreição de Deolindo Tavares.

 

Hibernações e Ressurreições de Deolindo Tavares 

“Deixemos, portanto, este céu deserto como um deserto 
boiar neles como flores em algum lago. 
Ah, este céu é o olho maior que nos espia, 
ah, como este céu abandonado pesa sobre os meu ombros
e sobre cada um de meus sonhos!”

 Deolindo Tavares

 

 

Há certos autores mortos que ficam numa espécie de limbo histórico e só emergem momentaneamente naqueles minutos de conversa, entre os poucos vivos que ainda olham relutantemente para trás. São tais autores feito certas cartas meio cifradas que encontramos, por acaso, quando buscamos apressados um lápis, um clips, ou um pente, na gaveta da cômoda. Então, alguma frase que nos parecia inocente ou vazia, assume, entre duas tragadas, a força da revelação. E é o bastante para procurarmos um hoje raríssimo e leal amigo para dizer-lhe, em confidência, coisas piegas desse tipo: Ela me amava. Eu que não sabia lê-la naqueles tempos!

É assim que vem resistindo a poesia de Deolindo Tavares: lembrança intermitente e revelação inesperada que transitam entre emulações e ciúmes das gerações que lhe seguiram. Isso, nessas quase cinco décadas de seu desaparecimento, recém-saído da adolescência (23 anos) e em pleno esplendor da Batalha do Pacífico, no longínquo ano de 1942.

Sua pessoa e sua obra, após relermos os depoimentos de seus contemporâneos, em especial Gilberto Freyre e João Cabral de Melo Neto, pareceram-nos impregnadas daquela “sabedoria da insegurança” de que nos fala Allan Watts, em memorável livro do mesmo título. Estranho e, ao mesmo tempo, revelador, o fato de que a Secretaria de Turismo, Cultura e Esportes/FUNDARPE, através do seu Conselho Editorial, promova a terceira edição de um poeta confessional em um tempo em que o confessionalismo se alastra na mais nova poesia brasileira, após a rigorosa e profilática dieta verbal das vanguardas. Estranho que, nesses tempos de insegurança e imprecisos pós-modernismos, a voz longa mas sussurrante de Deolindo comece a ecoar em tinta e papel novos, para o conhecimento e o espanto, principalmente, das novas gerações .

Ele é o que vem sendo lembrado quando todos os que estão nas listas dos mais vendidos já o foram; quando os poetas do dia já viraram quesitos do vestibular; quando os poetas (vivos) já foram suficientemente vilipendiados por outros poetas vivos nas mesas de bar; quando os poetas bonitos já foram “cantados” pelas tias e tietes de todos os lançamentos da Capital...

Agora, que atravessou duas edições póstumas, o fantasma de Deolindo reaparece do mesmo modo, triste e desorientado, diante da incompreensão do mundo; como Gasparzinho, o fantasminha dos quadrinhos infantis. Reaparece para os que o amavam com receio de ser surpreendidos por algum teórico acadêmico, um radical, oportuno e necessário às vanguardas, ou para os "pobres sem visão (que) pensam que são flores".

As quase imperceptíveis (para o grande público) hibernações e ressurreições de Deolindo, cuja obra se apresenta limpa e desnudada para as sanhas e manhãs deste final de Século, vêm reforçar a minha antiga convicção de que o valor se impõe, mas não se impõe necessariamente como gostaríamos que se impusesse, com a valorização contemporânea de sua existência. A morte do artista não deixa de ser o mais garantido teste de sobrevivência de sua arte. Por falar nisso, lembrei-me agora mesmo de Medeiros e Albuquerque. Por onde andam os livros desse escritor pernambucano polêmico? E Benjamim Constalat, que foi feito do sucesso estrondoso de seus romances durante a sua vida? Será que cabe para os extremamente felizes, quando vivos, uma paráfrase da expressão de Cristo: Eles já tiveram a sua recompensa? Não vamos tanto ao pote d’água como São Pedro, depois de Cristo transformá-la em vinho... Picasso e Gilberto Freyre não foram certamente exceções. Mas nenhuma morte, de velho ou moço, transformará seus trabalhos em obras-primas.

O que podemos dizer com absoluta certeza sobre a obra de Deolindo Tavares é que ela nunca dispôs do que hoje pedantemente chamam de lobby cultural. Diante dos gritos da Geração de 22 ela resolveu ficar com os sussurros dos poetas aparecidos na década de 30. Espremido como dois de seus autores prediletos - Jorge de Lima e Murilo Mendes - entre o assalto à Bastilha dos modernistas de 22 e a guerrilha racionalista da Poesia Concreta, a que sua morte não permitiu participar. A força e a permanência de Deolindo Tavares estão certamente na sua adesão espontânea e não oportunística às suas admirações de época, sem falar no pequeno mas significativo mergulho na discussão étnico-regionalista inaugurada por Gilberto Freyre na segunda metade da década de 20. Comparando sua poesia - velho vício esse do paralelismo cultural - com a de outro poeta brasileiro de que muito me sinto devedor, Ribeiro Couto, poderia dizer que, apesar da atração de Deolindo pelos versos longos, versículos talares, seu tom de voz é o dos amedrontados. Vejam como esses versos de Ribeiro Couto não caberiam bem na descrição do universo deolindense: “Minha poesia é toda mansa... / Não gesticulo, não me exalto / meu tormento sem esperança / tem o pudor de falar alto”. Falar alto, à maneira de Castro Alves, realmente não parece, como lembrou Gilberto Freyre, ser o tom desse confessionalista introvertido, que se vingava do mundo com discursos poéticos proferidos para o teatro fechado de seus sonhos este lares. O que mais me chama a atenção na obra de um poeta que diz: “Sou mais pobre do que Job, / mais rico do que Salomão: sou poeta (...)”, é encontrar subjacente nessa obra o tônus romântico de fatalidade e uma gana de dissolução e desaparecimento absoluto, a ponto de culminar com esses versos inscritos intencionalmente em caixa alta (ele que não procura chamar a atenção):

NUNCA ESTAMOS SÓS, 
NUNCA ESTAREMOS SÓS, 
NEM MESMO PERFEITAMENTE MORTOS.

Não encontramos nele, no entanto, essa morbidez estrangeira de um Schiller, que só se inspirava abrindo a gaveta da escrivaninha para cheirar suas maçãs apodrecidas. Ele é bem um poeta tristemente tropical, surpreendentemente brasileiro, apesar de suas admirações óbvias por Rimbaud, numa época em que Ariano Suassuna ainda não nos tinha ensinado a nos comparar com nós mesmos. Daí essa melancolia anti-londrina, muito nossa, estampada nesse, para falar numa palavra antiga de B. Lopes, “cromo”: “Adormeço num som / desperto numa cor / morro afogado no mar de uma inesperada estrela”.

A poética de Deolindo, se é que podemos falar na existência de um corpo verbal, onde textura e estrutura estão intencionalmente a serviço de uma cosmovisão sedimentada, seja lá na que for, parece estar claramente definida nos versas a seguir, revelando uma incipiente repulsa ao que hoje chamamos de construtivismo em poesia (apesar de que suas várias versões de um só poema desvelem a artesão latente dentro dele e que não teve tempo de se desenvolver), completamente compreensível num poeta que possuía sua abra como única arma contra a adversidade, tornando-a uma extensão de todo o seu ser: “Se vossas mãos não são frias neste fim de mês / (...) / não acredita que haja poesia nos vossos poemas”.

Escrevemos sabre uma Poesia que nos toco e não nos deixa cheios de dedos. Mas, já é hora de lembrar aos leitores que este livro mantém toda o texto da 2ª edição das Poesias de Deolinda Tavares, tornada absolutamente confiável e enriquecida graças à organização, prefácio e notas de Fausto Cunha, (aqui incluídos), edição de 1955 da Irmãos Pongetti - Editores - Rio de Janeiro e custeada pela Sra. Elisa Tavares da Silva, mãe do poeta.

Ao reeditar as Poesias de Deolindo Tavares, a Secretaria de Turismo, Cultura e Esportes/FUNDARPE vem atender ao apelo subterrâneo, embora tímido, de gerações de leitores daquele que partiu cedo, dizendo: “Ó adolescente que fugiste com a Poesia e nela te ocultas de todos os massacres”.

Alberto da Cunha Melo
Recife 1988

 


Poeta, jornalista, músico e desenhista, nasceu no Recife, a 21 de dezembro de 1918, e morreu preco-cemente, aos 24 anos de idade, no dia 06 de maio de 1942. Estudou no Ginásio Pernambucano e chegou a cursar o primeiro ano da Faculdade de Direito do Recife. Dedicando-se à imprensa, desempenhou a função de redator do Diário de Pernambuco. Colaborou com os Jornais: Diário da Manhã, Renovação e Caderno Acadêmico. Sua obra poética foi publicada postumamente na antologia Autores e Livros (1945) e em uma edição crítica de Fausto Cunha, em 1955, com o título de Poesias de Deolindo Tavares, reeditada pela FUNDARPE em 1988.

(Fonte: PERNAMBUCO TERRA DA POESIA - Organizadores: Antônio Campos e Cláudia Cordeiro)

 

  Voltar à página inicial

Mauro Mota

Heloísa Bandeira de Melo

José Américo de Lima

Maria do Carmo Barreto Campello de Melo

Manuzé

Francisco Espinhara

Walmar

Deolindo Tavares

Cancão

Bio de Crisanto

Jó Patriota

Audálio Alves

Rogaciano Leite

Solano Trindade

Joaquim Cardozo

Edwiges de Sá Pereira

Francisco Sales Arêda

Ascenso Ferreira

Louro do Pajeú

Manoel Filó

Geraldino Brasil

Celina de Holanda

Arnaldo Tobias

Zé da Luz


Flash player required!






Banner

Banner




quem somosfale conoscoportfoliolinksclipagemhotsites

Editores:

 Sennor Ramos, Raimundo de Moraes e Cida Pedrosa