principal  |   entrevista

Adrienne Myrtes

por Raimundo de Moraes

 

Adrienne é uma leitora compulsiva e dona de uma pontaria certeira. Assim: mira seu talento no leitor e caímos encantados pela sua prosa. Isso aconteceu  comigo lendo A mulher e o cavalo e posteriormente com Eis o mundo de fora. Essa pernambucana que atualmente vive em São Paulo também é artista plástica e sonha um dia poder viver da sua literatura. Por enquanto continua a alimentar sua rebeldia hierárquica – segundo a própria Adrienne, ela não consegue conviver muito bem com qualquer tipo de autoridade e burocracia – e quando sobra tempo concede entrevistas para seus admiradores. Como esta que vocês podem conferir aqui no Interpoética.

 

Adrienne, você foi pra São Paulo a galope ou foi de mansinho? Deu na telha assim de repente?

Eu costumo dizer que eu fui ‘obrigada’ a vir para cá. O fato é que minha família já morava aqui há algum tempo e eu resisti o quanto pude a fazer essa mudança, fiquei ‘empacada’ o quanto pude, mas por uma série de circunstâncias, me vi tendo como única saída, literalmente, o aeroporto com destino a São Paulo, a partir disso a coisa se deu a galope.

 

Alguns exilados da República Independente dos Pernambucanos Arretados têm banzo crônico. E você?

Eu não diria que meu banzo é crônico, mas se manifesta de forma aguda em alguns momentos. Foi bem difícil me decidir a mudar, aceitar que precisava mudar, mas me adaptei rápido à nova vida e tenho consciência do quanto essa mudança influenciou de forma positiva meu trabalho. O que não me livra de enlouquecer de saudades e vontade de estar aí vez por outra, não existe uma regra para o que desencadeia meu banzo, mas nessas horas a regra é me entupir de música e o que mais tiver à mão da cultura pernambucana, tenho inclusive uma concha que me salva da necessidade de ouvir o mar. E, quando ouço o sotaque pernambucano... aff!!! Estou em casa. É lindo demais!

 

E a gestação do seu livro de estreia? Foi uma coisa minuciosamente trabalhada ou você juntou coisas que já tinham sido escritas e aguardavam publicação?

Eu estava trabalhando em outro projeto para um livro de contos e uma brincadeira mudou tudo e me fez recomeçar e preparar um livro completamente diverso. Explico: esse trabalho começou a partir do título, e o título, a partir de uma brincadeira do escritor Marcelino Freire que falou para um editor amigo nosso, que eu estava escrevendo um livro chamado “A mulher e o cavalo”, em uma clara alusão a um filme pornô antigo. Mas o editor gostou tanto do título que Marcelino me convenceu de que eu deveria esquecer o que estava feito até então e encarar aquilo como um sinal, um presente. Com o título definido eu parti para a análise de quais contos ainda poderiam servir e para a escrita dos demais que fechassem com o conceito, mas antes eu precisei criar um conceito que fugisse do óbvio que seria escrever uma coisa diretamente erótica e zoófila.

 

Na abertura de A mulher e o cavalo Nelson de Oliveira diz (referindo-se ao amor e à paixão): Para Adrienne vale a máxima "as merdinhas felizes são todas iguais, as infelizes são infelizes cada qual à sua maneira".  Quando é que o amor começa a feder, Adrienne? Ou ele já nasce todo cagadinho?

Nascer cagadinho não invalida o amor. Acredito que o amor precisa cheirar e feder desde o começo, e negar isso é a maior merda que fazemos.

 

Como foi aventurar-se no romance? Quanto tempo você levou para escrever Eis o mundo de fora?

O romance foi uma descoberta transformadora. Levei cerca de quatro anos para escrever Eis o mundo de fora, é preciso levar em conta que tenho livre as madrugadas e finais de semana para escrever. Quando falo em transformação me refiro ao fato de que até então eu acreditava que minha praia era o conto, e estava satisfeita com isso. A idéia do romance veio a partir de uma afirmação do escritor Reinaldo Moraes, ele foi quem me disse que meus personagens pediam um romance. Para resumir, comecei a escrever e descobri que o processo de escrita do romance era tudo o que fazia falta em minha vida e eu nem desconfiava.

 

Você também é artista plástica. Como dialogam a literatura e os pincéis?

Nesse romance eles dialogaram muito, inseri algumas pinturas em momentos nos quais eu vi que a narrativa pedia certo silêncio para passar de um capítulo a outro. E, em meu cotidiano, os dois se alternam com suas necessidades específicas, embora aqui em São Paulo a pintura fique restrita a suportes menores porque não disponho de espaço físico para desenvolver trabalhos iguais aos que eu costumava fazer.

 

Está com algum projeto em andamento?

Estou escrevendo uma novela para a coleção “Que Viagem!” da Edith. Um projeto que mandou dez escritores para lugares para aonde só eles poderiam ir, dois já foram lançados: Gisele Werneck foi para onde Judas perdeu as botas e André Sala foi para a casa do chapéu. O próximo a ser lançado será Thiago Barbalho que foi para o fundo do poço. Eu, no momento, estou aonde o vento faz a curva.

 

Escrever dói?

Viver dói. Escrever é o que dá sentido a tudo e me ajuda a seguir sorrindo.

 

Pra finalizar, uma homenagem a seu último livro, no qual um dos personagens é um ator: no teatro ou no cinema, que personagem você gostaria de ser?

Tarefa complicada para uma geminiana escolher UM personagem, hahaha!!! Vou citar duas personagens, uma de cinema outra de teatro:

1.   Grace Margaret Mulligan de Dogville, de Lars Von Trier, um dos personagens mais densos e intrigantes dos quais me lembro;

2.   Groucha, do Círculo de Giz Caucasiano, de Brecht, uma personagem humana e forte.

Ah! Para não deixar de ‘causar’ adoraria também fazer a mulher gato só para poder vestir aquela roupa preta maravilhosa que a Michele Pfeifer usa na versão do Tim Burton.

 

  Voltar à página inicial

João Silvério Trevisan

Rita Marize

Marcelo Pereira

Manoel Constantino

Sidney Rocha

Lula Falcão

Adrienne Myrtes

Jussara Salazar

Wellington de Melo

José Mena Abrantes

Alexandre Santos

Urian Agria de Souza

Luci Alcântara

Rosinha

Saulo Neiva

André Cervinskis

Urariano Mota

Márcia Maia

Nagib Jorge Neto

Inah Lins

Aymmar Rodriguéz

Luiz Carlos Monteiro

Lara

Luiz Berto

Lula Côrtes

Raimundo de Moraes

Olímpio Bonald Neto

Cícero Belmar

César Leal

Paulo Azevedo Chaves

Silvana Menezes

Valmir Jordão

Ésio Rafael

Allan Sales

Leila Miccolis

Luzilá Gonçalves

Fátima Costa

Homero Fonseca

Jaci Bezerra

Vital Corrêa de Araújo

Marco Polo Guimarães

Miró

Maria da Paz Ribeiro Dantas

Marcelo Pereira

Juareiz Correya

Heloisa Arcoverde

Lucila Nogueira

Alberto da Cunha Melo

Raimundo Carrero

Wilson Araújo de Sousa

Pedro Américo de Farias


Flash player required!






Banner

Banner




quem somosfale conoscoportfoliolinksclipagemhotsiteslogin

Editores:

 Sennor Ramos, Raimundo de Moraes e Cícero Belmar