principal  |   colunistas   |   Geórgia Alves

Argamassa

por Geórgia Alves

 

O nome da minha heroína é grego. Ela, por sua vez, é reta e descomplicada. Não faz negociatas. E enxerga tudo, desde o princípio, sem distensões, retrações, refrações, confusões. Ela é mestre de obras. Desde pequena juntava as caixas de fósforos da casa para fazer seus tijolos. Micro tijolos. Tijolo por tijolo ia erguendo as bases e as paredes da sua pequena construção. A maior que poderia pretender.

Minha heroína também, desde cedo, tem atração pelo fogo. Espera com alegria guardada a hora de ver o fogo cozer o barro. E transformá-lo. Solidificá-lo. Suprimir toda a água. Endurecer sua viscosidade. Secar o seco. Endurecer o duro. Depois de cozidos pelo fogo para depois serem aquecidos em umidade de lona preta, debaixo do sol. Tijolos por tijolos.

Minha heroína tem um dom. Desde menina usa em habilidade as mãos. Habilidade divina de dar forma. Tornar peça. Produzir a coisa. Fazer matéria sólida. Forma e cor e cheiro. Em matéria concreta. Ela toca a sua obra com ternura. Sente a textura do barro, tornado tijolo com mãos delicadas. Nelas as peças cabem como que por encaixe.

Ághape. Assim se chama essa heroína. Este é seu nome. Seu destino. Sua sonoridade. Com força e acento. Ela mora em Nova Descoberta. É criança ainda, mas dá sinais de crescimento. E ficará maior. Virar moça. Descobrir o amor ou os prazeres do corpo e tornar-se mulher. Como os tijolos seu corpo estará ao sol, coberto por sua morada. Que como a lona preta que envolvia os tijolos, dar a ela umidade. Depois do passar pelo fogo. Estará aquecida pelo calor do sol.

Sua casa, de verdade, está em construção agora. Logo as paredes estarão todas erguidas. O teto retilíneo. As paredes pintadas. As luminárias acesas. Os móveis em medida exata em seus lugares. Logo ela estará a lavar sua louça na pia nova, construída por ela. Planejada em sua altura. Sim, porque Ághape é alta, magra, morena de olhos âmbar, com contornos mais escuros. Seu corpo é torneado e todo em músculos e ossos largos. Ághape só não pensa no amor. E agora que sua casa ficou pronta é que vai aprender a lidar com o ser humano.

Aprender que o tempo do outro é diferente do tempo do fogo. Que num ser humano nada exato como o nascer do sol. A certeza da lona e da umidade gerada com o calor. Agora que tem um teto e um lugar onde estender a roupa lavada, Ághape vai enfrenar problemas diários para manter o que conquistou. A timidez vai lhe atrapalhar muitas vezes. Fará a coisa errada em suas melhores intenções. Receberá olhares de inveja, de reprovação, de adoração, de repúdio ou admiração. Muitas vezes não saberá ler as legendas, como nos filmes. Agora mesmo está diante da tevê nova sem pensar em quando vai chegar o amor.

Coluna dacordafelicidade

GEÓRGIA ALVES
jornalista e especialista em literatura brasileira

 {comments}

  Voltar à página inicial

Vértebra exposta

O ás de espadas de Umbilina e Cícero Belmar

Lampião, o santo forte do cinema brasileiro

Carnaval de cores invisíveis

Ela e o Tuaregue

Bebendo a verdade

A Hora da Estrela

Sobre o amor

Gaia e Gozo

Amor e motivação

Um livro a mais em mim

Kerouac e a força de Kristen

Sophia

Red or Wine?

A última Peça

A luz Azul

O Amor é filme

Argamassa

Tsunami

Línguas de Fogo - De Claire Varin

Perdão

Idade da Razão

Amor Medido

Jingle Bell de Mutantes

Alguém me ensine a não amar Bob Dylan!

Café Pequeno

24 horas passageiras

Atire

Primeiro Ato

Anjo Caído

Cartola com café

A Mala Hora

Antes: a Amora

Por Princípio

Janeiro: A menor concha do mundo

Idéias soltas em páginas presas

Sendo sincero

Passos até a esquina

Alturas

Irisada, azul e terna...

O Sono dos Justos

Colar de Pérolas

Calendário

Não alimente com pedras

Caleidoscópio

Boa Vista

Good Bye, Mr. Autumn

Centro: "é preciso fixar o parafuso central para que a forma permaneça"

Círculos concêntricos em sintonia fina

O aleatório na agulha e no calor da terra

Prosa de volta

Nomadismo

Águas de Março

Umbigo de vidro

Café com letras

Abril ...solar!!!

Sobre o perfume e a vida que transpira

Uma aprendizagem ou os livros que despertam o prazer de ler

Caldas para a literatura infantil

O universo do livro infantil

Os infantis de Clarice Lispector


Flash player required!






Banner

Banner




quem somosfale conoscoportfoliolinksclipagemhotsites

Editores:

 Sennor Ramos, Raimundo de Moraes e Cida Pedrosa