principal  |   colunistas   |   Geórgia Alves

Sendo sincero
por Geórgia Alves

 

Onze dias para recriar meu mundo. E eu aqui pensado em como alinhavar tudo isso. São tecidos tão distintos. Mas arrisco. Da janela central, à tardinha, vejo o negro passando manso! Fitas coloridas enganchadas na chinela. E ele tentando livrar-se delas. Eu tô de um jeito que quase me rio. É um sibilado acentuado do seu bailado casual. E o homem cismado ripando o solado de borracha no asfalto frio. E inventa outro passo em seu desafio. Desengonçado debocha com maneirices que gosta. Num traquejo molenga de magricela bangela bangela.

Depois é a vez da moça, fininha e comportada. Vestida num longo de listras. Ela dança também mansa num cansaço desperto. Numa calma de passo suave de quem nem toca o asfalto. Quase voa a mocinha. Controla impulsos e os vultos vão todos atrás dela. Em seu rebolado, inventa um novo traçado e prende os cabelos com um laço. Num movimento apenas inventa com um toque um coque que vai bem no alto da cabeça. Pequeno, mas indisfarçável nela.

 

cantos de página

Por que se deram?
Não soube o motivo?!
Sei que há ali perfume...
É isso o que fazem juntos?!
Não te ofendo se te digo?
Coragem, “seja sincero”.
É que andei pensando
Fazer de você meu abrigo

Quer dizer, teu inimigo!
Então não bem sabes que
Amando se corre perigo?

Então, não seríamos mais...
Mais próximos e por isso
Ainda mais amigos?

Não seja tola, não é
“Simples assim”. Nada é.
Sem olhos de corvos
Nem penas de pavão
O mais natural é que não.

Pagarei de “kamikaze”
Se na minha compulsão
Perguntar o motivo?

Sim, no mínimo, curiosa
Incurável. Alguém sem freio.
Mas, vá lá! Eu sacio.

O amor é de um atroz
Egoísmo. Você me quer
Bem, enquanto não
Fizer amor comigo
Depois disso, natural
É correr o risco
De querer mais
Um do outro.

Tipo “até o infinito”?
E não será vaidade a tua?

Não ironize, só raciocine comigo:
Amor no primeiro ato da coisa
Exige cortar o cordão, sacrifício.
Dar o nó e criar o umbigo...

Então, por que tantos poetas
Por aí, a dizer: não vivo sem isso?
Fingem tão somente esse apego
A um porto seguro. De fato,
Estão atados àquilo pela partida
Somente assim dão valor
À “liberdade perdida”

Não é apenas bom, vá por mim.
O ser humano, em geral, está muito
Mais construído no apego à dor

Pois estava eu bem enganada
Pensei o amor tratar-se de
Sentimento altruísta, prazeroso...

Ah, isso o que reivindica é amizade
Agora falei a verdade. Desse jeito,
Que tal mantermos assim?
Amigos para sempre,
Amantes até o fim...*

 

*Dedico esse poema a um amor novo.  Muito embora vá pelo caminho oposto, em sua contradição e humor, como um ser humano. Discursa sobre onde os amantes devem estar. O abrigo da amizade e o uma espécie de tensão necessária à paixão. Em outras palavras, chama mantida pelo respeitomútuo.

Coluna dacordafelicidade

GEÓRGIA ALVES
é jornalista e especialista em literatura brasileira.

  Voltar à página inicial

Vértebra exposta

O ás de espadas de Umbilina e Cícero Belmar

Lampião, o santo forte do cinema brasileiro

Carnaval de cores invisíveis

Ela e o Tuaregue

Bebendo a verdade

A Hora da Estrela

Sobre o amor

Gaia e Gozo

Amor e motivação

Um livro a mais em mim

Kerouac e a força de Kristen

Sophia

Red or Wine?

A última Peça

A luz Azul

O Amor é filme

Argamassa

Tsunami

Línguas de Fogo - De Claire Varin

Perdão

Idade da Razão

Amor Medido

Jingle Bell de Mutantes

Alguém me ensine a não amar Bob Dylan!

Café Pequeno

24 horas passageiras

Atire

Primeiro Ato

Anjo Caído

Cartola com café

A Mala Hora

Antes: a Amora

Por Princípio

Janeiro: A menor concha do mundo

Idéias soltas em páginas presas

Sendo sincero

Passos até a esquina

Alturas

Irisada, azul e terna...

O Sono dos Justos

Colar de Pérolas

Calendário

Não alimente com pedras

Caleidoscópio

Boa Vista

Good Bye, Mr. Autumn

Centro: "é preciso fixar o parafuso central para que a forma permaneça"

Círculos concêntricos em sintonia fina

O aleatório na agulha e no calor da terra

Prosa de volta

Nomadismo

Águas de Março

Umbigo de vidro

Café com letras

Abril ...solar!!!

Sobre o perfume e a vida que transpira

Uma aprendizagem ou os livros que despertam o prazer de ler

Caldas para a literatura infantil

O universo do livro infantil

Os infantis de Clarice Lispector


Flash player required!






Banner

Banner




quem somosfale conoscoportfoliolinksclipagemhotsites

Editores:

 Sennor Ramos, Raimundo de Moraes e Cida Pedrosa