Não alimente com pedras
Uma estrada de terra
Ou ainda que de barro
Se antes não passava carro
Desse modo, vai torná-la
Transitável!

por Geórgia Alves

 

Caros Amigos,

Estou tão grata com o mundo. Talvez porque choveu e alguém me abriu o guarda-chuva e amanheceu soprando vento bom. Brisa do mar.

Em geral, são passarinhos que me despertam. Ou ainda um beija-flor atrevido que faz toc-toc à minha janela, devagarzinho. Dessa vez foi sintonia fina de música ucraniana que me trouxe até aqui.

Romeu do alto de pouco mais de meia dúzia de anos, sentenciou a única ausência da noite.

"Por que não tem telescópio? Luneta? Qualquer coisa para gente olhar mais de perto as estrelas?"

Boa pergunta, Romeu. Talvez porque, finalmente, entendi. Sempre estiveram todas ali. E eu sou apenas um planeta. Mesmo que tão cheio de vida e de gente. E tudo tornou-se possível. E fez-se bom tempo com o verbo.

"É triste a dor de partir e eu te direi boa noite até que seja dia", diria Romeu. Ou ainda: "Boa noite, boa noite, boa noite! A despedida é dor tão doce que ficarei aqui te dizendo boa noite até que seja dia".

Para que fosse completo, escaparia de seus lábios finos: "Estou ouvindo algo! Será o Rouxinol, o arauto da manhã, ou a cotovia? o certo é que vem amanhecendo o dia!"

Fiquei com a certeza de “filme” que eu desenhei em imagens coloridas e em preto e branco. De um guarda-chuva e suspensórios vermelhos. Chegou o arauto da manhã. E vou embora sem que me permita dizer. Ali esteve a manhã da criação. Num Carnaval.

Coluna dacordafelicidade

GEÓRGIA ALVES
é jornalista e especialista em literatura brasileira.

  Voltar à página inicial

O filósofo das imagens

Vértebra exposta

O ás de espadas de Umbilina e Cícero Belmar

Lampião, o santo forte do cinema brasileiro

Carnaval de cores invisíveis

Ela e o Tuaregue

Bebendo a verdade

A Hora da Estrela

Sobre o amor

Gaia e Gozo

Amor e motivação

Um livro a mais em mim

Kerouac e a força de Kristen

Sophia

Red or Wine?

A última Peça

A luz Azul

O Amor é filme

Argamassa

Tsunami

Línguas de Fogo - De Claire Varin

Perdão

Idade da Razão

Amor Medido

Jingle Bell de Mutantes

Alguém me ensine a não amar Bob Dylan!

Café Pequeno

24 horas passageiras

Atire

Primeiro Ato

Anjo Caído

Cartola com café

A Mala Hora

Antes: a Amora

Por Princípio

Janeiro: A menor concha do mundo

Idéias soltas em páginas presas

Sendo sincero

Passos até a esquina

Alturas

Irisada, azul e terna...

O Sono dos Justos

Colar de Pérolas

Calendário

Não alimente com pedras

Caleidoscópio

Boa Vista

Good Bye, Mr. Autumn

Centro: "é preciso fixar o parafuso central para que a forma permaneça"

Círculos concêntricos em sintonia fina

O aleatório na agulha e no calor da terra

Prosa de volta

Nomadismo

Águas de Março

Umbigo de vidro

Café com letras

Abril ...solar!!!

Sobre o perfume e a vida que transpira

Uma aprendizagem ou os livros que despertam o prazer de ler

Caldas para a literatura infantil

O universo do livro infantil

Os infantis de Clarice Lispector


Flash player required!






Banner

Banner




quem somosfale conoscoportfoliolinksclipagemhotsites

Editores:

 Sennor Ramos, Raimundo de Moraes e Cida Pedrosa