principal  |   colunistas   |   Geórgia Alves

Abril ...solar!!!
por Geórgia Alves

 

Desculpo - me da péssima literatura que tenho produzido. Perdôo - me todas as asneiras que digo solta das amarras. O mito está criado. A "coisa" tem nome e sobrenome. E eu me encaixo como acorde sustenido.

Por que se fica ao lado do outro? Por que, de princípio, existe um prazer, uma agradável sensação de calma e paz com a presença do outro e com o passar do tempo, ou dos episódios, não parece mais tão oportuno assim...?

Bem estar! Nisso mora todo o segredo. Habita todo o mistério. Assim é de incontestável beleza. É preciso sentir, muito. Sentir de imediato para não ressentir depois. A "coisa" está no instante dos fatos. Não há o outro lado. O outro dia triste, o "depois". Existe o instante vivo e luminoso. Sinais para que seja cumprido o desejo. Da vontade de ser pego. Nem precisa evidenciar.

Amor puro, fresco, latente e de deixar lassa é a mistura de uma química de décadas e de atitude! Genética: história impressa em retinas e códigos do genoma, impulsos domados pelo raciocínio rápido e pelo desejo. Como no balé da águia no céu azul e imenso. O prazer do vôo, a anatomia favorável, asas e olhar treinado. A exata e precisa calma de um caçador experiente que aprendeu a matar a fome, que precisa existir. Dor, fome, dúvida. Do outro lado: Prazer, Sabedoria e é. Amor se faz descrendo. Afirma - se na incerteza dos fatos.

No limite da configuração da dúvida. Prazer é uma parte incontestável do processo de consolidação do desejo, da configuração do amor. Existem os livros então, senão, tudo se perderia no espaço findo da matéria e do esquecimento, na "limitação" cômoda do humano que quando se forma ou sente um prazer cômodo, pára e interrompe o processo. Existe busca e troca. Porque se num é findo, no outro continua de outro modo. Pelos códigos e pelo caminho do outro. E há o orgulho, a blasfêmia, a arrogância, o cínico mérito posto que desfaz do futuro em divulgação do passado.

E a "coisa" estará ali para sempre tanto quanto mais for dita e visitada. E é preciso muita dúvida, muito impulso de busca para continuar elaborando e estar em mais mistério de desmembramento alumbramento revelação do novo. É preciso uma falta, um defeito disso, formado assim, preparado para o que é posto para que se continue buscando em mistério e imagens e sentimentos confusos nos limites dos fatos a nova passagem e compor.

Ultrapassar sem tanta carga e de fato precavido não pode deixar do outro lado o justo sentimento, ou pensamento, ou lembrança que "encaixa". Mas daqui, desse estreito caminho por onde passamos juntos agora está muito além e distante a palavra que motivou a busca, o nome da coisa, o sentimento mais semelhante encontrado entre as cordas do músculo e as medidas aceleradas do pulso de pupilas que dilatam sem recurso caro e branco em pó.

AMOR assim vai virando um sólido bloco de valores culturais de "coisa feita", comprada, erguida, polida pelos mais corajosos. Àqueles que não movem um filigrana sequer de si mesmos diante do lugar onde haveria susto ou incômodo, incompreensão. Onde haveria medo. Não. Não onde há a força sem nome da lembrança do instinto mais primitivo e leal ao bem estar de si mesmo. A cumplicidade com o outro gera tudo que a ciência já resolve e explica, mas cumplicidade. Consigo mesmo constrói melhor.

Assim há um e é possível então haver outro e então, por motivos e sentidos outros, haver dois. Uma para uma em séculos de construção e porque se fragmentam, então? Por que há a ruptura do que poderia estar ali e cada vez mais cheio e sólido e no caminho certo das descobertas elucidadas e incorporadas ao modo, jeito, gestos, trejeitos? Por que no ambiente da certeza vão se sucedendo desencontros e o não querer substitui o desejo inicial que movia a "coisa".

O "it", Clarice! Por que no instante em que está mais afeito e adestrado o humano, a raiva e a intolerância e a dúvida racham e fatiam o que estava em pleno vigor de movimento aos saltos e cambalhotas e peripécias alegres de seres completos em seus rastros felizes de lembranças dormentes?

Por que lágrimas estão sempre presentes no limite da dor? Água e sal produzidos pelo perfeito mecanismo de organismos vivos do imperfeito Humano? Por que a pergunta se responde em vazios que a afirmação não preenche nem ocupa? De onde vêem e para onde vão os sinais e "encontros" falidos? Falhados...

Em que dose é possível suportar assistir à busca desacompanhado e fingindo de quem acaso se casou e dedicou a um só a um outro o que é somente "da pessoa". Eu caio novamente na corrente de uma literatura de mau gosto e superfície plana sem apreensão de sons ou fatos. Apenas mito, que sobrevive às custas dos desejos contidos e dos planos infantis guardados em mentes buliçosas e que se colocam no limite, ali pertinho do vale disposto a devorar o que não for vazio e seu. Há em forma a abundância do querer contido no colo e nas costas. Para as que são guiadas pela Lua e pelos que pressentem diuturnamente o Sol em seus ombros frágeis.

Costas, melhores formas. Vão sendo inventadas pelo divino e conseqüente movimento de absolvição de informações valorosas e amalgamáveis pelos genomas tornados códigos genéticos ao longo de muitos e muitos anos. Costas e pupilas. Está ali o segredo contido no coração deles. Costas e mãos e olhos.

Em noites de histórias e músicas suaves sopradas aos ouvidos. Mexidos em algodão de um doce girar, mexendo na percepção fina de sentidos ativada num jeito de adivinhar. Entrar em contato com esse fluxo torna tão viva a hora do dia que o passar de um lado para o outro do globo fica suave com o olhar certo. Porque é preciso que continue quando o desejo é mais sereno e calmo. É necessário ir de um a outro como quem constrói a partir de metades, o primeiro passo. A verdade que é esse conceito relativo e múltiplo muitas vezes deixa ver o que um desejo maior calcula, imprime.

 

Coluna dacordafelicidade

GEÓRGIA ALVES
é jornalista e especialista em literatura brasileira.
Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

 

  Voltar à página inicial

Vértebra exposta

O ás de espadas de Umbilina e Cícero Belmar

Lampião, o santo forte do cinema brasileiro

Carnaval de cores invisíveis

Ela e o Tuaregue

Bebendo a verdade

A Hora da Estrela

Sobre o amor

Gaia e Gozo

Amor e motivação

Um livro a mais em mim

Kerouac e a força de Kristen

Sophia

Red or Wine?

A última Peça

A luz Azul

O Amor é filme

Argamassa

Tsunami

Línguas de Fogo - De Claire Varin

Perdão

Idade da Razão

Amor Medido

Jingle Bell de Mutantes

Alguém me ensine a não amar Bob Dylan!

Café Pequeno

24 horas passageiras

Atire

Primeiro Ato

Anjo Caído

Cartola com café

A Mala Hora

Antes: a Amora

Por Princípio

Janeiro: A menor concha do mundo

Idéias soltas em páginas presas

Sendo sincero

Passos até a esquina

Alturas

Irisada, azul e terna...

O Sono dos Justos

Colar de Pérolas

Calendário

Não alimente com pedras

Caleidoscópio

Boa Vista

Good Bye, Mr. Autumn

Centro: "é preciso fixar o parafuso central para que a forma permaneça"

Círculos concêntricos em sintonia fina

O aleatório na agulha e no calor da terra

Prosa de volta

Nomadismo

Águas de Março

Umbigo de vidro

Café com letras

Abril ...solar!!!

Sobre o perfume e a vida que transpira

Uma aprendizagem ou os livros que despertam o prazer de ler

Caldas para a literatura infantil

O universo do livro infantil

Os infantis de Clarice Lispector


Flash player required!






Banner

Banner




quem somosfale conoscoportfoliolinksclipagemhotsites

Editores:

 Sennor Ramos, Raimundo de Moraes e Cida Pedrosa