principal  |   colunistas   |   Geórgia Alves

Caldas para a literatura infantil
por Geórgia Alves

 

Qual a mágica de fazer uma criança andar de bicicleta sem rodinhas? Como se dá aquele instante do pulo do gato, ou de aprumo do menino que descobre nele a confiança necessária para livrar-se das muletas circulares? É que fala nele a voz do bicho antes quieto lá dentro do peito. Vai ver só decidiu o equilíbrio e a força para domar a tal, sem rodinhas. Paulo Caldas dizia ao filho mais velho, hoje engenheiro formado, “todo homem tem um bicho dentro dele”. E todo bicho tem uma função.

No livro A República dos Bichos, o herói não é leão ou tigre-de-bengala. Com habilidade, neste e outros livros sabe conduzir o tênue fio de conexão no espaço entre a realidade e a fantasia. A estória é de um super-herói resistente, “sem pistolas”. Dono de sabedoria singular. Dizer que é “inteligência emocional” despreza a escolha de uma medida exata do raciocínio das delicadezas no trato com a política? Bom, o certo é que Paulo Caldas, ele mesmo tornou-se ele, essência da rapadura produzida “pelas bandas daqui”. Inaugurando em 1984, junto com Arnaldo Afonso (também Inês Koury e Elita Ferreira – in memoriam ), as Edições Bagaço. Caldas do doce extraído do meio moído.

Nasceu naquele ano, Era uma vez um quintal, no ano seguinte, Era uma vez a Fazenda-. Em1985, Asas pra que te quero, e em 1991, República dos bichos. Depois veio Destino Cidade (1993), O fascínio da caixa preta (1994), no mesmo ano Alma de artista, A tecla sigma (1995), Flores para Cecília (1996), As faces do escorpião (1997), A cor da pele (2000), O sol além da minha rua (2003) e Um anjo chamado Alegria (2005), todos com o selo das Edições Bagaço, Pernambuco. Publicou ainda Esses bichos maravilhosos e suas incríveis aventuras, em 88(com sete edições) pela Atual Editora, de São Paulo.

São 25 anos dedicados à ficção literária, incluindo o próximo lançamento, “A Lua em Sagitário”, que acontecerá na Usina 2 Irmãos, depois da Bienal. Sobre o primeiro sopro de criação às vésperas da Primavera, naquele mês de setembro, daquele ano de 82, lembra: “Apresentei no colégio Helena Lubienska o protótipo do meu primeiro livro infantil, Era uma vez um quintal, ediçãozinha pobre, selo (ed.) Pirata”. Um mês depois lançava na Praça de Casa Forte, primeira versão “mostrando valores como liberdade, solidariedade, respeito à natureza”.

Paulo também é “dono” dos anos sessenta do Recife, graças a No Tempo do Nosso Tempo, crônicas com Evaldo Donato sobre a “inesquecível” juventude do Recife nos anos 60 – ou será o contrário. Foi pelo mesmo selo Edições Pirata. Que não era pirata da perna de pau, nem pirateia nossa rapadura. Ao contrário, legitima a produção dos autores locais com selo respeitado no país por outras editoras. A idéia de ser bagaço Paulo conheceu. Vide Anatomia do Baixa Renda, sobre recifenses suburbanos. Já ia se interessar pela classe média quando foi tomado pelo lançamento de livros infantis no bairro de Casa Forte, em 1982.

Mais sobre Caldas, pergunte a gente com um bicho (e dos bons!) dentro, como Antônio Falcão, Luiz Berto, Domingos Alexandre, Maurício Melo Júnior - de Brasília - e Gilvan Lemos Jessier Quirino e Raimundo Carrero na Oficina de Criação Literária, há seis anos. O site www.paulocaldas.com.br. E Parabéns!

 

Coluna dacordafelicidade

GEÓRGIA ALVES
é jornalista e especialista em literatura brasileira.
Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

  Voltar à página inicial

O filósofo das imagens

Vértebra exposta

O ás de espadas de Umbilina e Cícero Belmar

Lampião, o santo forte do cinema brasileiro

Carnaval de cores invisíveis

Ela e o Tuaregue

Bebendo a verdade

A Hora da Estrela

Sobre o amor

Gaia e Gozo

Amor e motivação

Um livro a mais em mim

Kerouac e a força de Kristen

Sophia

Red or Wine?

A última Peça

A luz Azul

O Amor é filme

Argamassa

Tsunami

Línguas de Fogo - De Claire Varin

Perdão

Idade da Razão

Amor Medido

Jingle Bell de Mutantes

Alguém me ensine a não amar Bob Dylan!

Café Pequeno

24 horas passageiras

Atire

Primeiro Ato

Anjo Caído

Cartola com café

A Mala Hora

Antes: a Amora

Por Princípio

Janeiro: A menor concha do mundo

Idéias soltas em páginas presas

Sendo sincero

Passos até a esquina

Alturas

Irisada, azul e terna...

O Sono dos Justos

Colar de Pérolas

Calendário

Não alimente com pedras

Caleidoscópio

Boa Vista

Good Bye, Mr. Autumn

Centro: "é preciso fixar o parafuso central para que a forma permaneça"

Círculos concêntricos em sintonia fina

O aleatório na agulha e no calor da terra

Prosa de volta

Nomadismo

Águas de Março

Umbigo de vidro

Café com letras

Abril ...solar!!!

Sobre o perfume e a vida que transpira

Uma aprendizagem ou os livros que despertam o prazer de ler

Caldas para a literatura infantil

O universo do livro infantil

Os infantis de Clarice Lispector


Flash player required!






Banner

Banner




quem somosfale conoscoportfoliolinksclipagemhotsites

Editores:

 Sennor Ramos, Raimundo de Moraes e Cida Pedrosa